Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Justiça suspende mais uma pesquisa eleitoral do Instituto Ranking em Rio Brilhante

Por decisão da juíza eleitoral de Rio Brilhante, Mariana Rezende Ferreira Yoshida, mais uma pesquisa eleitoral foi suspensa no município por conter irregularidades.

A decisão atendeu a representação movida pelo Diretório Municipal do MDB e pela coligação “Juntos por uma Rio Brilhante Melhor” contra o Instituto Ranking de Pesquisas.

Trata-se de Representação, com pedido de concessão de medida liminar, na forma de impugnação de pesquisa sob a alegação que o Instituto Ranking registrou pesquisa eleitoral irregular sob o número MS-09579/2020.

O MDB suscita duas irregularidades que seriam impeditivas à divulgação como: incoerência do sistema interno de controle e verificação com as informações contidas no questionário de aplicação; ausência de dados cadastrais da parte representada; e infidelidade do plano amostral.

A juíza disse na decisão que “inicialmente, quanto ao primeiro defeito apontado, verifico que, de fato, a empresa representada alega que seu sistema interno de controle e verificação funciona mediante a seleção aleatória de “20% (vinte por cento) dos questionários para uma verificação posterior com ligações telefônicas para os números indicados nos formulários”.

Conforme a decisão “nos formulários de coleta de dados, dentre as informações a serem preenchidas pelo/a entrevistador/a, não consta o número de telefone da pessoa entrevistada, o que inviabiliza por completo a verificação dos dados colhidos e demonstra uma grave falha no sistema interno de controle proposto, colocando em xeque a credibilidade do método”.

A juiz finaliza afirmando que “outrossim, quanto ao segundo defeito levantado, verifico que a empresa requerida preencheu todos os dados disponíveis no sistema PesqEle sendo que, para realizar o registro eletrônico da pesquisa impugnada, precisou cadastrar-se previamente junto ao TSE, onde apresentou os documentos listados no art. 5º, da Resolução TSE 23.549/17, de sorte que razão não assiste à coligação representante nesse pont”.

Justiça suspende mais uma pesquisa eleitoral do Instituto Ranking em Rio Brilhante 1

Scroll Up