Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Juiz veta pesquisa do Ibrape manipulada para favorecer Alan Guedes

Juiz eleitoral César de Souza Lima ressaltou que não foi observada na pesquisa a proteção especial aos dados considerados sensíveis disposto na lei n.º 13.709/18, bem como os impugnados não informaram na pesquisa como seria feito o controle e verificação da coleta de dados

O juiz eleitoral César de Souza Lima, da 18ª Zona Eleitoral de Dourados, acatou pedido formulado pela Coligação “Reconstruir é Nosso Desafio”, formada pelos partidos DEM, PSDB, Avante, Patriota, Podemos, PSB, MDB, PSD e Solidariedade, e que tem como candidato a prefeito José Carlos Barbosinha, e proibiu a divulgação do resultado da pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa de Opinião Pública (Ibrape). A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o número MS-01983/2020, em 28 de outubro de 2020 e as entrevistas com os eleitores foram realizadas nos dias 1 e 2 de novembro.

O juiz acatou a tese que a pesquisa continua erros graves que iriam favorecer o candidato Alan Guedes (PP). A coligação liderada por Barbosinha alertou a Justiça Eleitoral que a pesquisa apresentada aos eleitores interferiria na intenção do eleitor consultado em razão da atenção que o entrevistado daria ao candidato Alan Guedes, às declarações de votos branco/nulo e não sabe/indeciso. Os advogados da Coligação “Reconstruir é Nosso Desafio” sustentaram que ao inserir no questionário o nome de Alan Guedes em cor diferente da dos demais candidatos, poderia ocasionar a manipulação de resultados, tendo o condão de influenciar o eleitor e ferir a isonomia da campanha eleitoral ao cargo majoritário de Dourados.

A coligação de Barbosinha alertou ainda que o questionário juntado pela empresa no ato do registro apresenta irregularidades, visto que nas questões de nº 14, 16 e 17 os nomes de seis candidatos aparecem em destaque na cor azul. “Já o nome do candidato da Coligação Respeito Por Dourados (Alan Guedes), bem como, branco/nulo e não sabe/indeciso, aparecem na cor preta”, ressaltaram. Para os advogados, “há uma discrepância, de informação, forçosa no mínimo, em que o entrevistador dá uma maior atenção ao candidato Alan Guedes, e faz o mesmo no tocante aos votos branco/nulo e não sabe/indecisos, ferindo assim os critérios de imparcialidade e ainda de impessoalidade, que devem ser aplicados, em toda e qualquer pesquisa de opinião pública”.

Os advogados alertaram a Justiça Eleitoral que ao colocar o nome de Alan Guedes em cor diferente da dos demais, o Ibrape poderia induzir o voto dos eleitores na entrevista quanto a intenção de votos. “Boa parte da população douradense é leiga e pode fazer a associação quanto ao nome que aparece de forma diferenciada no questionário a ser mostrado ao eleitor, bem como o próprio entrevistador vir a induzir o entrevistado, em virtude do esquema de cores diferentes”, alertaram. “A pesquisa aparentemente, também busca induzir o eleitor a não confirmar seu voto, pois consta no questionário aplicado uma pergunta, referente a intenção de voto e logo em seguida em quem não votaria para prefeito de Dourados, seguindo o mesmo esquema de cores”, completaram.

Na decisão liminar, o juiz César de Souza Lima ressaltou que “não foi observada na pesquisa a proteção especial aos dados considerados sensíveis disposto na lei n.º 13.709/18, bem como os impugnados não informaram na pesquisa como seria feito o controle e verificação da coleta de dados e do trabalho de campo, evitando, assim, possíveis fraudes”.  Ao analisar o pedido da Coligação “Reconstruir é Nosso Desafio, o juiz pontuou que existia a probabilidade do direito para concessão de uma tutela de urgência, “pois há existência de prova inequívoca e verossimilhança das alegações da coligação, já que os documentos que instruem a inicial demonstram, por ora, a plausibilidade das alegações formuladas pelos representantes”.

De acordo com o magistrado, também ficou demonstrado no pedido o perigo na demora do provimento final pode levar a divulgação de pesquisa inadequada, aparentemente, nesta primeira fase, com possíveis danos por indução a repostas ou ausência de elementos de verificabilidade da coleta de dados. “Diante do exposto, com a probabilidade do direito e o perigo na demora, defiro o pedido de liminar para suspender a divulgação dos resultados da pesquisa até seu julgamento sob pena de multa diária pelo seu descumprimento, bem como de acesso ao sistema interno de controle, de verificação e de fiscalização da coleta de dados, nos termos do artigo 13 c.c. parágrafo primeiro do artigo 16 da Resolução do TSE n.º 23.600/2019”, decidiu César de Souza Lima.

Scroll Up