Publicidade
MidiaFlex
Publicidade
Policiais e bombeiros de Mato Grosso do Sul entram com mandado de segurança coletivo contra aumento na contribuição previdenciária
O aumento na alíquota, que passou de 11% para 14% por meio de Lei Complementar aprovada no ano passado pela Assembleia Legislativa, causou polêmica entre o funcionalismo público, já que servidores com salário acima de R$ 5,3 mil terão quase 50% de desconto em seus holerites, levando-se em conta o Imposto de Renda.



A ACS (Associação e Centro Social dos Policiais Militares e Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul) impetrou, nesta terça-feira (15), um mandado de segurança coletivo no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) contra o aumento na contribuição previdenciária dos servidores militares.


 


O aumento na alíquota, que passou de 11% para 14% por meio de Lei Complementar aprovada no ano passado pela Assembleia Legislativa, causou polêmica entre o funcionalismo público, já que servidores com salário acima de R$ 5,3 mil terão quase 50% de desconto em seus holerites, levando-se em conta o Imposto de Renda.


 


“O objetivo do mandado de segurança é impedir que o Governo do Estado efetue o desconto de 14% de policiais, bombeiros e pensionistas que recebam acima do teto. Seguimos o mesmo norte aplicado pelo ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), ao coibir a intenção do Governo Federal de aplicar o índice”, afirma o presidente da ACS, Cabo Couto.


 


O TJMS já concedeu liminar aos membros do MPE (Ministério Público Estadual) e da Defensoria Pública, suspendendo a aplicação do novo índice. Outras entidades das mais diversas categorias também já acionaram a justiça contra o aumento.


 


“Seguimos a mesma rota por entendermos que é ilegal o desconto progressivo, o que é proibido pela Constituição Federal. A ACS busca defender os interesses de todos os militares estaduais e pensionistas, e neste caso especificamente, o objetivo é impedir o aumento da previdência para todos os militares estaduais e pensionistas que recebem acima do teto do Regime Geral de Previdência”, finalizou Couto



 


Envie seu Comentário

Publicidade
Olho Magico
Poderia começar este artigo listando um bom número de companhias que eram líderes em seus segmentos de atuação, mas por não acompanharem as expectativas e mudanças da sociedade, simplesmente deixaram de existir. Afinal, de música e filmes, por exemplo, as pessoas sempre vão gostar.
Publicidade
Foto Materia
O Brasil passa por grandes problemas políticos, econômicos e sociais, como nunca se viu em toda sua história.
Publicidade