Publicidade
MidiaFlex
Publicidade
Policiais e bombeiros de Mato Grosso do Sul entram com mandado de segurança coletivo contra aumento na contribuição previdenciária
O aumento na alíquota, que passou de 11% para 14% por meio de Lei Complementar aprovada no ano passado pela Assembleia Legislativa, causou polêmica entre o funcionalismo público, já que servidores com salário acima de R$ 5,3 mil terão quase 50% de desconto em seus holerites, levando-se em conta o Imposto de Renda.



A ACS (Associação e Centro Social dos Policiais Militares e Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul) impetrou, nesta terça-feira (15), um mandado de segurança coletivo no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) contra o aumento na contribuição previdenciária dos servidores militares.


 


O aumento na alíquota, que passou de 11% para 14% por meio de Lei Complementar aprovada no ano passado pela Assembleia Legislativa, causou polêmica entre o funcionalismo público, já que servidores com salário acima de R$ 5,3 mil terão quase 50% de desconto em seus holerites, levando-se em conta o Imposto de Renda.


 


“O objetivo do mandado de segurança é impedir que o Governo do Estado efetue o desconto de 14% de policiais, bombeiros e pensionistas que recebam acima do teto. Seguimos o mesmo norte aplicado pelo ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), ao coibir a intenção do Governo Federal de aplicar o índice”, afirma o presidente da ACS, Cabo Couto.


 


O TJMS já concedeu liminar aos membros do MPE (Ministério Público Estadual) e da Defensoria Pública, suspendendo a aplicação do novo índice. Outras entidades das mais diversas categorias também já acionaram a justiça contra o aumento.


 


“Seguimos a mesma rota por entendermos que é ilegal o desconto progressivo, o que é proibido pela Constituição Federal. A ACS busca defender os interesses de todos os militares estaduais e pensionistas, e neste caso especificamente, o objetivo é impedir o aumento da previdência para todos os militares estaduais e pensionistas que recebem acima do teto do Regime Geral de Previdência”, finalizou Couto



 


Envie seu Comentário

Publicidade
Olho Magico
O ciclo de quedas tem como principal objetivo estimular a retomada da economia. Considerando que houve dois anos consecutivos de queda, percebemos que mesmo que o Produto Interno Bruto (PIB) tenha voltado a crescer em 2017, essa recuperação ainda é lenta.
Publicidade
Foto Materia
Absolutamente todo indivíduo. Exceções àqueles (poucos) mental e fisicamente limitados.
Publicidade