Publicidade
MidiaFlex
Publicidade
Em missão oficial, Geraldo vai ao Japão conhecer experiências na área educacional
....


O parlamentar foi convidado a participar de reuniões, tratativas comerciais e visitas educacionais durante 10 dias naquele país



 



O deputado federal Geraldo Resende (PSDB-MS) estará no Japão de 07 a 17 de dezembro em Missão Oficial autorizada pela Câmara dos Deputados e totalmente custeada pelo governo japonês. O parlamentar embarca nesta quinta-feira (7) de Brasília e chega ao Aeroporto Narita no dia 09. Ele participará de reuniões com a família real japonesa, autoridades governamentais e empresários.





O parlamentar foi convidado há três meses por participar do Grupo Parlamentar Brasil-Japão e por ser representante da população de Mato Grosso do Sul, Estado que abriga uma das maiores colônias japonesas do país. Geraldo participará de audiência no Ministério dos Negócios Estrangeiros e visitará as empresas Toyota, Nec e Jetro.



Também está prevista na programação uma visita à comunidade brasileira em Nagoya e a uma escola pública. “Sinto-me feliz e honrado pelo convite. Acredito ser extremamente importante uma experiência como essa ofertada pelo governo japonês, sem ônus aos nossos cofres públicos brasileiros. Poderemos ver “in loco” a competitividade empresarial e a qualidade do ensino japoneses”, explicou.



Estão previstos deslocamentos até Miyajima e Hiroshima, onde os congressistas visitarão o Museu Histórico da Bomba Atômica. A visita faz parte do Programa de Intercâmbio Japão Latina e Caribe e tratará de cooperação de defesa, segurança pública, econômica, de infraestrutura, diplomática e política. 



A senadora Ana Amélia (PP-RS) e os deputados Vitor Lippi (PSDB-SP), Vanderley Macrys (PSDB-SP), Rômulo Gouveia (PSD-PB), Laercio Oliveira (SD-SE) e Adilton Sachetti (PSB-MT) farão parte da comitiva.



 


Envie seu Comentário

Publicidade
Olho Magico
Tempos duros, estes. Além do permanente e sistemático ataque aos direitos dos trabalhadores, agora a moda é o ataque ao conhecimento. Depois da arte, dos museus, a ofensiva atual é contra a universidade pública.
Publicidade
Foto Materia
Continuariam com foro especial apenas o presidente e o vice-presidente da República, o chefe do Judiciário, e os presidentes da Câmara e do Senado
Publicidade