Publicidade
MidiaFlex
Publicidade
DOURADOS: Anhanguera não terá mais curso de Veterinária por decisão do MEC
...

Depois de obter a segunda avaliação trienal seguida com índice 2 – em uma escala de 0 a 5 – do CPC (Conceito Preliminar de Curso) realizado pelo MEC, a Faculdade Anhanguera de Dourados não poderá oferecer o curso de Medicina Veterinária no Vestibular para 2018. A decisão consta do portal eMEC, do Ministério da Educação, onde são relacionadas as faculdades e instituições de ensino superior avaliadas pela instituição.



No Brasil, a cada três anos um determinado número de cursos é selecionado para aplicar a prova do Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes). A avaliação é aplicada para acadêmicos do último ano de cada graduação desde 2004. Desde então, alunos de universidades particulares e privadas são avaliados e a instituição que não atinge a nota suficiente recebe as sanções do MEC.


Em 2013, o curso de Medicina Veterinária da Anhanguera já havia obtido o conceito 2, considerado insuficiente pelo MEC, e repetiu a meta nota na avaliação de 2016. De acordo com o chefe de gabinete da Seres (Secretaria de Regulação e Supervisão de Educação Superior) do Ministério da Educação, Rubens de Oliveira Martins, a partir dessa avaliação o MEC procura qualificar a oferta de cursos no País.


“Para cada situação temos uma normativa (…) com notas insuficientes por dois anos consecutivos as instituições entram no regime de medidas cautelares e o MEC faz uma verificação, concede um prazo para essa instituição melhorar, mas fica suspensa a autonomia universitária até a avaliação melhorar”, disse Oliveira Martins ao portal G1.


Segundo o dirigente nacional, entre as medidas disciplinares previstas, “pode haver suspensão dos processos seletivos e até a universidade pode vir a ser descredenciada”

Envie seu Comentário

Publicidade
Olho Magico
Tempos duros, estes. Além do permanente e sistemático ataque aos direitos dos trabalhadores, agora a moda é o ataque ao conhecimento. Depois da arte, dos museus, a ofensiva atual é contra a universidade pública.
Publicidade
Foto Materia
Continuariam com foro especial apenas o presidente e o vice-presidente da República, o chefe do Judiciário, e os presidentes da Câmara e do Senado
Publicidade