Publicidade
MidiaFlex
Publicidade
"CPMI da JBS avança", diz deputado Carlos Marun.
...


Com plano de trabalho aprovado por ampla maioria na última quarta-feira (20), o relator da CPMI da JBS, deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS), encerra a semana com saldo positivo: foram aprovados requerimentos de convocação, convite e pedidos de informação.



Marun e seus pares aprovaram na manhã desta quinta-feira (21) convite para que Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República preste esclarecimentos à CPMI sobre as circunstâncias em que foi firmado acordo de colaboração premiada com a JBS. Além disso, o colegiado decidiu convocar o ex-procurador Marcelo Miller, ex-braço direito de Janot, e o procurador da República Ângelo Goulart Villela.



Vice-líder do PMDB na Câmara, Marun afirmou que todos esses depoimentos serão de extrema importância para que os trabalhos da Comissão avancem de forma transparente e esclarecedora. “Buscaremos informações relevantes que nos auxiliarão a compreender este abrupto enriquecimento e as circunstâncias no qual foi celebrado este acordo de delação premiada que concedeu benefícios sem precedentes na história da vida jurídica brasileira e quase concedeu perdão eterno para estes que, sabemos hoje, são os maiores delinquentes da vida moderna brasileira", disse o peemedebista.



Também nesta reunião foram aprovadas as convocações dos irmãos Batista; do executivo Ricardo Saud; do advogado do grupo, Willer Tomaz de Souza e da alta gestão do grupo J&F. Do BNDES, um dos alvos da CPMI, foi convocado o ex-presidente Luciano Coutinho.



 



A definir



Com prazo de 120 dias, prorrogável por mais 60 dias, a CPMI, criada para investigar irregularidades envolvendo a empresa JBS e a Holding J&F em operações realizadas com o BNDES, deve retomar os trabalhos na próxima semana, quando será votado o último bloco de requerimentos, dedicado às transferências de sigilo.


Envie seu Comentário

Publicidade
Olho Magico
Tempos duros, estes. Além do permanente e sistemático ataque aos direitos dos trabalhadores, agora a moda é o ataque ao conhecimento. Depois da arte, dos museus, a ofensiva atual é contra a universidade pública.
Publicidade
Foto Materia
Continuariam com foro especial apenas o presidente e o vice-presidente da República, o chefe do Judiciário, e os presidentes da Câmara e do Senado
Publicidade