Publicidade
MidiaFlex
Publicidade
Indefinição sobre novas regras engessa candidatos em MS
...


Willams Araújo


Campo Grande


 






Waldeli seria o plano B do PMDB (Foto: Divulgação )




A indefinição do Congresso Nacional sobre as novas regras eleitorais acaba engessando pretensos candidatos em Mato Grosso do Sul.


 


Na prática, as próximas duas semanas serão decisivas para a definição da reforma política no Congresso. O Senado analisa novas regras para o financiamento das campanhas, enquanto a Câmara discute o fim das coligações nas eleições proporcionais e uma cláusula de barreira para que as legendas tenham acesso ao fundo partidário e ao tempo de rádio e TV.


 


Para valer nas eleições de 2018, as duas propostas precisam ser aprovadas nas duas Casas até o dia 7 de outubro.


 


Entre outros pontos, uma das preocupações das lideranças políticas locais é com o prazo para filiação partidária. Cumprindo o quarto mandato como prefeito de Costa Rica, Waldeli dos Santos Rosa (PR) planeja mudar de partido, mas terá de aguardar o desfecho da votação do texto da reforma política que tramita nas duas casas legislativas.


 


A intenção dele é voltar ao PMDB, de onde saiu em 2011, para candidatar-se à sucessão do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), caso seu nome venha a ser o indicado na eventualidade de o ex-governador André Puccinelli, principal liderança do partido, desistir de postular o cargo.


 


Bem avaliado nas pesquisas por tocar uma gestão considerada eficiente, Waldeli seria uma espécie de plano B da cúpula regional peemedebista caso André recue da ideia de enfrentar a máquina administrativa do governo tucano em 2018.


 


Esta semana, em entrevista de rádio, André falou sobre a possibilidade de disputar o governo, alegando pressão dentro de seu grupo político para que aceite o convite. No entanto, ainda garante que está avaliando.


 


“Se houver uma definição esta semana de que o último dia para filiar é 4 de outubro, possivelmente eu faça a mudança de partido imediatamente”, disse o prefeito em entrevista ao Portal Campo Grande News.  


Waldeli não vê o espaço aberto nos quadros do PR para concorrer ao cargo depois de uma conversa que teve com o presidente regional do partido, Londres Machado, o qual teria pedindo um tempo para aguardar a votação do texto da reforma política no Congresso.





 

Envie seu Comentário

Publicidade
Olho Magico
Tempos duros, estes. Além do permanente e sistemático ataque aos direitos dos trabalhadores, agora a moda é o ataque ao conhecimento. Depois da arte, dos museus, a ofensiva atual é contra a universidade pública.
Publicidade
Foto Materia
Continuariam com foro especial apenas o presidente e o vice-presidente da República, o chefe do Judiciário, e os presidentes da Câmara e do Senado
Publicidade